domingo, 16 de março de 2008

Pimpinella e o trovador

Gaivotas em Gaia - Foto: Maurette Brandt


Tenho um amigo que é a própria poesia em figura de gente. E é poeta até nas pequenas coisas, no mais prosaicos detalhes do dia a dia. Amo ouvir as suas histórias, que sempre dão cores novas a qualquer circunstância, por mais ínfima que seja.

Pois outro dia conversávamos de madrugada, ao seu melhor estilo notívago e romântico; hospedado num excelente hotel no Algarve, contou-me que, naquela manhã, recebera em seus aposentos uma inusitada visitante.

Tinha acordado um pouco mais tarde; pediu o café da manhã no quarto (para os portugueses, pequeno almoço) e estava a fazer a barba quando foi surpreendido por ninguém menos que uma gaivota, ao vivo e a cores.

- Fiquei surpreso! E é um bicho grande, sabes? De repente lá estava ela pousada, olhando para mim tranqüilamente.

A figura entrou pela varanda e serviu-se, sem qualquer cerimônia, de alguns acepipes do desjejum do meu amigo.

- Logo que a vi, senti que se chamava Pimpinella!

(Só mesmo ele para sair-se com um nome assim).

Pimpinella, recém-batizada, bateu as asas e voou, mas voltou pouco depois e ficou a fitar o meu amigo com olhos compridos de mar. Ele ficou impressionado com o tamanho e a pachorra da criatura.

- Pimpinella, olá!

Dali a pouco, voou de novo. E quando ele já estava a sossegar, eis que ela retorna, como se a casa fosse mesmo sua!

- Eu já estava pensando em dizer, “Olha, senta-te aí, aceitas algo mais?” – ria-se, divertido e intrigado com aquele vai-e-vem. (A essa altura penso eu que já estava maquinando dedicar-lhe alguma canção trovadoresca.)

Pimpinella passeou as amplas patas pelo quarto, as asas bem organizadas, o mesmo olhar cheio de lonjuras. Não se interessou mais pelo pequeno almoço, que já ia à metade; e quando finalmente decidiu partir, deixou como lembrança uma discreta caganita no beiral da varanda.

- Podes imaginar um bicho desses assim, à-vontade, no quarto da gente? – admirava-se, sempre a rir muito. – Acho que amanhã vou pedir uns extras no pequeno almoço, sabe-se lá se não resolve voltar?

Imagino Pimpinella de volta ao bando, a contar para as outras gaivotas sobre o seu amoroso encontro com um autêntico membro da espécie poética.

- Gostei do sujeito – decerto diria, em idioma gaivotês. – Não me enxotou, correspondeu aos meus olhares, nem se incomodou por eu ser uma simples ave! Até falou comigo! E deixou-me comer à vontade! Aquele, sim, é o que os humanos chamam um cavalheiro! Sei lá, talvez vá visitá-lo de novo... e nem sequer sei o seu nome...


9 comentários:

Musicologo disse...

Que episódio tão bonito e bem contado! Maravilha! Tu é que és uma trovadora! :D

Soraia Blás disse...

Bela foto e belo texto;)

Sombr|A|rredia disse...

"De um momento para o outro pode entrar um pássaro que levante o céu"
Alexandre Ó´Neill


:)
Continuo apaixonada por esta foto lol

Shakadal disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Zololkis disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Zololkis disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
ÁguaDiCoco disse...

Mais um texto lindo!
Quando sai o livro de histórias por Maurette Brandt hein...?

Eu compro!

E não estou a ser simpática.

Fenrisar disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
bruno cunha disse...

olá!
já há uns tempos que não vinha aqui mas adorei este conto e tb a crónica sobre o pedro abrunhosa...
beijinho

ps: ultimamente tb tenho escrito algumas coisas no meu blog...

;)